Cirurgia Refrativa: procedimentos, impedimentos e recuperação.

A Cirurgia Refrativa vem se tornando o meio mais eficiente para corrigir lesões oculares, tendo em vista a sua facilidade e grande grau de sucesso.

O que é e qual a finalidade da cirurgia refrativa?

A cirurgia refrativa é o mais moderno procedimento utilizado para corrigir erros de refração (sugestivamente, daí vem a origem de seu nome).

Os erros de refração (ou, simplesmente, erros refrativos) são problemas que ocasionam o impedimento da chegada da luz de forma nítida à retina, ocasionando a má formação da imagem.

Esses erros são ocasionados por disfunções no tamanho do globo ocular ou irregularidades na córnea, sendo os vícios mais comuns a Miopia, Astigmatismo, Hipermetropia e Presbiopia.

A principal finalidade da cirurgia é reduzir ou, até mesmo, eliminar a necessidade de lentes e óculos de grau.

Como é feita?

Existem várias técnicas disponíveis para a realização da cirurgia refrativa. Logo, como será feita dependerá de qual técnica será utilizada.

É importante ressaltar que a cirurgia refrativa é indolor, pois antes de sua realização o paciente recebe gotas de um colírio anestésico capaz de eliminar a dor durante a operação. Dentre as técnicas disponíveis para a sua realização, as mais comuns e utilizadas são:

  1. Ceratectomia Fotorrefrativa (PRK): Antes de aplicar o laser, é feita uma espécie de raspagem para remover o epitélio da córnea (tecido corneano externo) a fim de que o laser seja aplicado diretamente sobre o tecido corneano superficial.

O pós-operatório é um pouco desconfortável, tendo em vista que o epitélio estará se cicatrizando e cobrindo novamente a área tratada.

Para isso, o paciente recebe uma espécie de “lente terapêutica” que será removida de 2 a 5 dias após a cirurgia. É comum ter a visão embaçada em um período de até 15 dias após a realização do procedimento. Caso permaneça após esse prazo, é importante consultar um oftalmologista.

  1. Laser Assisted In Situ Keratomileusis (LASIK): Diferentemente da técnica acima, esta aplica o laser diretamente em uma camada interna. Para que consiga realizar essa aplicação, é realizado um pequeno e delicado corte na superfície da córnea, onde levantam uma fina camada. Depois de feita essa abertura, o laser é aplicado, ou seja, diretamente na parte interna e então essa camada é reposicionada. Apesar de parecer um procedimento complicado, essa técnica não precisa de pontos e a melhora da visão ocorre de forma mais rápida (normalmente em até 24 horas).
  2. Cirurgia Refrativa Personalizada (ou customizada): Como o próprio nome diz, a cirurgia será personalizada para cada olho, a fim de corrigir todas as imperfeições nele encontradas.

Através de um exame realizado pelo oftalmologista (o nome próprio do exame é aberrometria), são identificadas as imperfeições da córnea para, então, personalizar a cirurgia para atender as necessidades especiais daquele paciente.

A diferença principal entre esse e os procedimentos anteriores é que a cirurgia refrativa personalizada elimina pequenas imperfeições na superfície da córnea.

Quais as vantagens da cirurgia refrativa?

É fato incontroverso que o uso do laser para corrigir os erros de refração faz com que a cirurgia ocorra de forma mais rápida e com altíssimo grau de precisão na correção de tais vícios.

Além disso, não há necessidade de que seja feitos pontos, sendo a recuperação mais rápida. O procedimento também é simples, gera mais conforto e não há a necessidade de usar curativos e a duração da sua realização é rápida.

Entretanto, é indispensável a consulta com o médico oftalmologista para a realização de um exame completo, onde será verificado se a sua córnea permite ou não a aplicação do laser. Ele quem indicará se você está apto para ser submetido ao procedimento.

Os profissionais não indicam a realização do procedimento a gestantes, lactantes, menores de 21 anos e para portadores de doenças oculares (infecções, Ceratocone, etc.). Para identificar essa última classe, são realizados exames pré-operatórios preventivos a fim de verificar a presença de tais disfunções.

Dúvidas Comuns

Quando nos submetemos a algo novo, principalmente quando se trata de procedimentos médicos, medos e dúvidas são comuns. É necessário compreender que a cirurgia refrativa é um procedimento simples, realizado com a ajuda de alta tecnologia e que gera um enorme grau de segurança ao paciente.

Uma das maiores dúvidas é: “e se eu piscar durante a cirurgia?”. Não se preocupe, para evitar que isso ocorra é usado um aparelho chamado blefarostato. O aparelho é colocado entre as pálpebras do paciente, impedindo o fechamento dos olhos.

Além disso, o aparelho usado para aplicar o laser é de altíssima tecnologia e, caso o paciente movimente o globo ocular, ele detecta em alta velocidade e acompanha esse movimento. Claro, todo o procedimento é realizado com acompanhamento e supervisão do profissional.

A cirurgia refrativa é tão simples que não é necessária internação, tem duração de, em média, 15 minutos por olho e o paciente tem alta no mesmo dia.

Logo, a preocupação é compreensível, porém, desnecessária.

Conclusão

Se você vem sentindo um constante desconformo nos olhos, ausência de nitidez nas imagens (ou seja, visão embaçada) e/ou dor de cabeça constante, especialmente quando está lendo, é bem possível que haja algum erro refrativo. Nesses casos, é indispensável a consulta com um profissional oftalmologista a fim de diagnosticar qual (ou quais) dos vícios de refração está presente e, se necessário, iniciar os procedimentos pré-operatórios a fim de realizar a cirurgia refrativa.

Porém, quem se sujeitará à cirurgia é preciso estar ciente que não é uma técnica milagrosa, que eliminará os problemas de visão para o resto da sua vida. É verdade que as chances do erro refrativo retornar são mínimas (praticamente inexistentes). Porém, após os 40 anos é normal que o cristalino (lente natural dos olhos, situada atrás da íris e principal responsável pelo que vemos) acabe ficando opaco, desgastado, causando o que conhecemos por catarata.

Também é necessário que após a cirurgia, para ter uma recuperação mais rápida e eficaz, o paciente siga as recomendações do médico que na maioria das vezes são: usar óculos escuros quando o sol estiver forte e evitar praias, piscinas, saunas e atividades esportivas, tendo em vista o grau de risco ao realizar essas atividades.

Além disso, nunca se automedique. Qualquer alteração ou dúvida sempre consulte um profissional da área.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *